G.NEWSG.NEWSGLAの最新情報をお届けします

G.NEWS

O Caminho da Criação V

2022.9.1

O Caminho da Criação da Vida

Viemos juntos abordando até agora sobre a “Lei do In-En-Kaho”. Que tipo de sentimento concreto a “Lei do In-En-Kaho” lhe proporciona? Que tipo de impressão lhe traz?

Seria apenas uma perspectiva das situações que normalmente você não está ciente, mas que acaba pensando quando instigado? Ou seria uma perspectiva que se tornou indispensável para entender o contexto?

A “Lei do In-En-Kaho” não rege apenas a criação e o extinção de todas as realidades que se estendem no nosso mundo exterior. Ela está profundamente relacionada ao tema pelo qual nascemos, vivemos, e tentamos executar no mundo dos fenômenos, e é essencial para o cumprimento da missão original providenciada em nossa vida.

Vamos verificar isso mais uma vez.

Existe algo que nós, seres humanos, estamos tentando criar ao nascer no mundo dos fenômenos, o que pode ser chamado de “Lei do In-En-Kaho da Alma”.

O ponto central “In” não é outra coisa senão o “In” que representa o primeiro dos “quatro temas da reencarnação” indicados pelo Estudo da Alma1, qual seja “a restauração e o crescimento da alma”.   

Como alcançamos “a restauração e o crescimento da alma”? Ela se dá ao observarmos a luz e as trevas do nosso interior por meio das inúmeras experiências no mundo real, e além disso, ao identificarmos a aspiração da alma2 e o carma3 que são a fonte daquela luz e trevas, visando concretizar a aspiração e purificar o carma. 

Mas obviamente isso não pode ser conseguido da noite para o dia. Ao observar e cultivar nossas mentes todos os dias, e ao transformar o mecanismo das nossas mentes, o Ju-Hatsu-Shiki4, isso pode ser gradualmente alcançado.

À medida que essas etapas progridem e se aprofundam, em algum momento, poderemos vivenciar a Experiência Universal. A Experiência Universal é uma experiência de iluminação, uma experiência de tornar-se uno com o Princípio Divino universal, uma experiência convincente de que estamos em ressonância com o Princípio Divino. Quando isso ocorre, nosso mundo interior passa por uma grande transformação, e podemos dar um salto adiante em relação à restauração e ao crescimento da alma.

O “En” do “In-En-Kaho da Alma” trata do “En” que cumpre o segundo dos quatro temas da reencarnação, ou a “reconciliação de relacionamentos”.

Em nossas vidas, existem “pessoas que devemos encontrar”, que são importantes para o cumprimento da nossa missão, do nosso propósito e missão de vida. Podem ser membros da família como pais ou irmãos, cônjuge como marido ou esposa, colegas de trabalho, superiores que labutam juntos, ou parceiros que tentam alcançar as mesmas aspirações.

Entretanto, não é raro que nossas relações com tais entes queridos se tornem distorcidas. E não é incomum que não consigamos cumprir a missão que nos foi dada na vida tendo ali uma relação criticamente distorcida.

Mesmo que essa pessoa não esteja diretamente envolvida na missão à primeira vista, a forma como criamos o relacionamento peculiar com essa pessoa simboliza nossas deficiências, imaturidade e distorções inerentes que, às vezes, podem dificultar o cumprimento da missão.

Podemos dizer que a reconciliação de relacionamentos é um tema intrínseco que nos conecta com as “pessoas que precisamos encontrar”, e elas são indispensáveis para nós com vistas a cumprir a nossa missão de vida.

O “Kaho” do “In-En-Kaho da Alma” corresponde ao terceiro dos quatro temas da reencarnação, ou a “realização da aspiração inacabada”.

Em outras palavras, a “realização aspiração inacabada” consiste justamente na realidade em que vivemos para cumprir o propósito e missão de vida.

E por que isso se torna uma aspiração inacabada? A aspiração que mantemos como desejo da nossa alma não é algo que possa ser facilmente realizado em uma vida.

Não importa o quanto nós nos dediquemos, não podemos realizar tudo em uma vida. Somos, às vezes, arrastados por várias circunstâncias, tropeçamos nas próprias insuficiências, e ficamos aquém de uma fração do que almejamos.

A alma fica atormentada por um arrependimento intenso quando termina a vida desta maneira. E quanto mais intenso o arrependimento, mais intensa se transforma sua aspiração, e mergulhamos em uma nova vida com o forte desejo de cumprir aquela aspiração inacabada gravada em nossas mentes.

Quando realizamos a aspiração inacabada, isso significa que o “In-En-Kaho da Alma” foi criado no sentido mais autêntico. Não seria exagero dizer que a nossa vida existe para a criação deste “In-En-Kaho da Alma”.

Podemos observar que do primeiro ao terceiro tema da reencarnação são todas oriundas das nossas vidas passadas. Criar o “In-En-Kaho da Alma” é, por assim dizer, responder ao dever de casa de vidas passadas, para cumprir a compilação de muitas experiências de vidas passadas. 

E ao criarmos o “In-En-Kaho da Alma”, seremos questionados sobre o que criaremos em seguida.

Uma das pistas é que o quarto tema dos quatro temas da reencarnação: “iluminar pessoas e lugares”. Não se trata de um dever de casa das vidas passadas, mas uma caminhada para responder a vida atual, uma caminhada para criar um novo futuro.

Tendo criado o “In-En-Kaho da Alma” e redimido do dever de nossas vidas passadas, e com a luz primordial da alma, do Bodasihin5, viveremos o trabalho de apoiar e iluminar pessoas e lugares.

Tornar-se um mestre do poder da concretização

Conhecer e compreender profundamente o “In-En-Kaho”, e, além disso, dominar e viver de acordo com a “Lei do In-En-Kaho” trarão grandes mudanças para nós.

Como mencionado anteriormente, existem duas maneiras de abordar a “Lei do In-En-Kaho”. Uma é ordinária e trata da aplicação da “Lei do In-En-Kaho” de forma objetiva. A outra é o que deveria ser chamado de “Lei do In-En-Kaho”do Estudo da Alma, baseado no princípio de sempre colocarmos nossas palavras, ações, pensamentos e ideias no “In”.

Em primeiro lugar, podemos perceber as várias realidades, a grande variedade de situações que enfrentamos em nossas vidas como eventos externos, e aplicamos o In-En-Kaho objetivamente. Ser capaz de compreender naturalmente tal In-En-Kaho é nada menos do que ser capaz de perceber a energia que está impulsionando as coisas e eventos.

Por exemplo, quando observamos o estado do local de trabalho ou a situação de um novo projeto através do In-En-Kaho, isso significa que conseguimos enxergar que tipo de energia da luz e das trevas está fluindo ali.

Ou seja, não se trata apenas de perceber quais resultados estão sendo produzidos agora, mas também prever quais realidades serão produzidas no futuro.

E alcançar a mestria da “Lei do In-En-Kaho” do Estudo da Alma tem implicações ainda maiores. Isso significa não apenas que seremos capazes de capturar o fluxo de energia em todas as situações, mas seremos capazes de obter o poder de criar realidades, de nos tornarmos mestres do poder da concretização.

Podemos transformar uma situação das trevas. Podemos uma realidade necessária. Podemos criar um novo fluxo de energia.

Yoda, o mestre Jedi do filme “Guerra nas Estrelas” é referido como um usuário da Força, uma força que flui através de todos os seres viventes e do próprio Universo. É o Jedi com os laços mais fortes com a Força. Podemos dizer também que ele seja um mestre em conectar as energias interior e exterior.

E o “mestre do In-En-Kaho” tem um poder comparável a isso.

Aqueles que realmente compreenderem, praticarem e dominarem a “Lei do In-En-Kaho” serão mestres das forças cósmicas e do poder da concretização comparáveis aos mestres Jedi.

(Continua na próxima seção)

Esta seção continua no próximo mês

1. Estudo da Alma

O Estudo da Alma trata de uma sistemática de teoria e prática para que o homem possa buscar um modo de viver que une as dimensões visível e invisível. Em contraste com o “estudo dos fenômenos” representado pela ciência que se ocupa com a dimensão tangível, o “Estudo da Alma” abrange a dimensão material bem como uma dimensão que vai além, a dimensão da mente e da alma, de uma forma mais abrangente. Trata-se de um princípio que constatei a partir da minha própria análise em relação aos seres humanos e das observações das trajetórias de vida dos inúmeros indivíduos com quem interagi. Compreende o ser humano através de uma perspectiva total da alma, da mente e da realidade a fim de corresponder a quaisquer tipos de situação. (Extraído da p.50 do livro Como Fazer Da Sua Vida A Melhor, versão original em japonês).

2. Aspiração da Alma

Trata-se da aspiração que a alma deseja realizar de toda forma e é a energia da luz. É a “energia da vontade dotada de sabedoria” inerente à alma e pode ser dito como a essência da alma. (Extraído da p.144 do O Livro Que Resolve A Equação Da Vida, versão original em japonês)

3. Carma

Trata-se das distorções, imaturidade e fragilidades da alma, e a força que nos impedem de viver a aspiração da alma. (Extraído e sintetizado da página 65 do O livro que resolve a equação da vida, versão original em japonês)

4. Ju-Hatsu-Shiki

Ju (recepção) significa a perceber os acontecimentos que surgem ao nosso redor (mundo exterior) em nosso interior, e o Hatsu (reação) é a interação do nosso mundo interior com o mundo exterior em relação ao que foi percebido. Shiki é o termo budista que significa a realidade que o nosso olho físico enxerga no mundo exterior e inclui as pessoas, os acontecimentos e as circunstâncias. O ser humano, enquanto vivo neste mundo, continua acionando esta triangulação do Ju-Hatsu-Shiki incessantemente, e vai criando as realidades a sua volta mesmo que inconscientemente. (Extraído do Glossário do Princípio Divino 2012, disponível somente em japonês)

5. Bodaishin

Originalmente a palavra tem origem no Budismo que indica “Bodai, a mente que busca a iluminação”, mas no Estudo da Alma, o termo representa “a mente que busca o verdadeiro Eu, ama o próximo, e contribui para a harmonia do mundo”. (Extraído e sintetizado da p.4 do livro Os Doze Bodaishin, versão original em japonês).